The Blood of Others

E pesando na terra todo o meu peso imóvel. Tu morres. Outros agonizam lentamente, corpos cheios de golpes, a pele colada aos ossos.

Ik koos het bestaan niet, maar ik besta. Een ongerijmdheid die verantwoordelijk voor zichzelf is, dat ben ik.

I think that where you go wrong is that you imagine that your reasons for living ought to fall on you, ready-made from heaven, whereas we have to find them for ourselves.

Não há salvação. Nem mesmo a embriagez do desespero e a resolução cega, porque tu estás aí, nessa cama, na luz selvagem da tua morte.

Ter a porta fechada, os lábios fechados: mas o meu silêncio proclama ordens."tu não dizes nada, e eu vou" ou "não dizes nada, e eu não vou". Toda a minha presença é palavra. Avança então, avança no lodo da noite. Decide. Eu decidi a tua morte e não estamos pagos. Mais ainda. Queria pedir misericórdia: não há misericórdia.

The sin of smiling whilst Louise was weeping, the sin of shedding my own tears and not hers. The sin of being another being.

They use the pretext of avoiding war, to make you swallow any kind of peace, said Paul. They use the pretext of a revolution to involve us in any kind of war, said Jardinet.